Pinho: O óleo essencial da libertação

Na postagem de hoje, como já disse o nome do texto, vamos te mostrar como age esse óleo essencial (OE) tão incrível que é o Pinho. Ele é um OE de libertação porque solta nossas amarras da autossabotagem.

Sabe aquela ideia que aparece às vezes, de que a gente não merece as coisas? Quando a gente se sente culpada por tudo que acontece? O OE de Pinho vai justamente nesse ponto. Ele é capaz de nos esclarecer tudo isso, desembaçar a nossa visão torta sobre algumas situações.

Como age o OE de Pinho

O Pinho age em todo os campos de atuação possíveis em um OE. Você se lembra que os OEs agem de três maneiras distintas, né? Física, mental e vibracional. Revise essa lição aqui.

O Oe de Pinho é especialíssimo. Ele é considerado o OE do renascimento, o que não é pouca coisa (falamos disso aqui). O pinho também traz resultados muito bons em questões de mágoas, é tido como o OE do perdão. Ajuda a entendermos melhor a situação e a termos empatia para perceber os motivos das outras pessoas (falamos disso aqui).

Todas essas funções fazem dele um OE incrível para a limpeza, em todos os aspectos. Fisicamente, limpa o ambiente e cuida de problemas respiratórios como rinite, sinusite, resfriados, entre várias outras coisas. E no plano vibracional ele limpa também, tira da nossa mente os pensamentos obsessivos, a autopunição, vitimização. Relaxa aquele peso dos ombros e nos deixa mais abertos para o mundo, para receber o que nos é oferecido. E aí vem a libertação.

Veja nesse vídeo lindo da Daiana Petry, gravado lá em Paris, mais detalhes sobre o Pinho e descubra como usá-lo para ter todos esses benefícios.

Encontre todos os produtos necessários para a sua limpeza com Pinho aqui na nossa loja virtual

54 comentários em “Pinho: O óleo essencial da libertação

  1. Oi. Adorei seu vídeo, porém uma dúvida: por quanto tempo devo usar o pinho para a limpeza energética como sabonete ou no difusor para depois passar para um próximo óleo? Obrigada!

    1. Oi, Fabiane. para usar em massagens pontuais, como na sola dos pés, use uma colher de sopa(15mL) de óleo vegetal ou creme neutro e 6 gotas do óleo essencial. Já em massagens em uma área maior do corpo, como costas ou pernas inteiras, use a diluição de 20 gotas de óleo essencial para 100mL de óleo vegetal ou creme neutro.

      O resultado depende muito da pessoa e das formas de aplicação. Às vezes, só tendo contato com o óleo essencial a pessoa já “vira uma chavinha”, como se o óleo essencial fosse direto no ponto da ferida emocional. Massagens tendem a ser uma forma muito profunda de contato com a aromaterapia. Mas observe, a experiência nos mostra que mesmo que a pessoa diga que o óleo não fez efeito, sempre aparece algum traço na fala ou no comportamento que demonstra a atuação dele.

  2. Esses óleos essenciais são vendidos na França?
    Saberia me dizer se os preços são compatíveis com os OE vendidos no Brasil?
    Gratidão 🙏

    1. Oi, Regina.
      Sim, são vendidos na França.
      Quanto ao preço, com as questões de importação, a tendência é que os óleos produzidos na Europa e região cheguem aí na França a um preço um pouco mais baixo. Imagino que seja o caso do Pinho, que é produzido na Rússia.

    1. Oi, Viviane. Nas crises de pânico, vetiver e manjerona são mais eficientes. E se elas forem recorrentes, o uso diário do óleo essencial de Litsea Cubeba no difusor pessoal também ajuda. Todos os citados, inclusive o pinho não possuem restrições em relação a hipertensão, pode usar.

  3. Gostaria de saber se é possível usar mais de um óleo por dia, por exemplo, no difusor pessoal e de noite no de ambiente ou no travesseiro? Ou o melhor seria fazer um tratamento por vez, durante as semanas ou meses previstos e depois substituir os tratamentos? Muitos óleos ou usos continuados durante o dia podem causar alguma intoxicação? Obrigada 🙂

    1. Oi, Ana. É possível sim, fazer vários tratamentos ao mesmo tempo. Usar o difusor durante o dia, passar um creme, usar numa meditação antes de dormir. Mas cada etapa com um propósito claro, e observando se todas elas “conversam”. Não vou, por exemplo, passar pela manhã um creme com um óleo essencial para me deixar mais disposta, mais elétrica, e ao mesmo tempo usar um óleo essencial no difusor que me deixa aconchegada, tranquila. É preciso pensar nisso.
      Para usar os óleos essenciais é preciso, primeiro saber os riscos que ele oferece, as % indicadas para cada uso, os grupos de risco (Muitos óleos são contraindicados para gestantes, lactantes, epiléticos, hipertensos). Essa é uma primeira etapa para evitar intoxicações. Depois, alguns poucos óleos podem sim gerar intoxicações se usados por um longo período. A Erva doce, por exemplo, não se recomenda usar por mais de seis meses contínuos, pois pode afetar o funcionamento dos rins. É preciso “dar um tempo”, e depois voltar.
      E sempre, sempre, conhecer o óleo essencial usado, as contraindicações, e as % indicadas de uso.

  4. Olá. Comecei o uso o óleo essencial de Pinho há quatro dias e desenvolvi uma inflamação na garganta neste período. Pode ser algum efeito do óleo?

    Obrigada

    1. Oi, Paloma. Pode ser sim.

      O pinho é um óleo essencial de limpeza, ele expurga coisas ruins tanto do nosso emocional quanto do vibracional, e isso vem para o físico também. São comuns relatos de enjoo, surgimento de espinhas, diarreia leve. É o corpo jogando pra fora coisas que não servem mais. Observe essa sua inflamação, ela pode ser um expurgo desencadeado pelo óleo essencial, de acordo com as suas questões.
      Mas pode ser também algum processo alérgico. Se perceber que pode ser isso, interrompa o uso por algum tempo e veja como o corpo reage. Quando voltar ao tratamento, faça de forma mais suave, diluindo mais o óleo ou iniciando a aplicação pela extremidade dos pés, e subindo um pouco mais a cada dia.

    1. Oi, Patrícia.
      Eles possuem pequenas mudanças de composição química e local de origem, que energeticamente mudam um pouquinho sua ação.
      Mas em sua base, pertencem ao mesmo gênero, e fazem efeito bem similar. Mas pode usar sim, com os mesmos fins energéticos.

    1. Oi, Emanuelle.
      Ele pode ser um degrau desse tratamento sim.

      Um óleo bem legal para um tratamento de depressão (que não é nada simples) é o de Bergamota.
      Aqui no blog tem algumas postagens sobre ele que vale a pena dar uma olhada.

  5. O Pinheiro silvestre (pinus sylvestris) fax o mesmo trabalho de liberação de culpa/autosabotagem que o pinho?
    E se o cheiro não agradar muito pode misturar com outro óleo? Qual e proporção?
    Obrigada
    .

    1. Oi, Cainara.
      Substitutos na aromaterapia nunca fazem o MESMO trabalho, principalmente quando pautamos o tratamento em um único óleo essencial. Porém esse que citaste tem uma certa parecência, e em algum nível irá agir de forma similar.
      Nesse tratamento com o pinho, que normalmente é a porta de entrada para um tratamento mais profundo, é legal não misturar outros óleos essenciais. Ele é um óleo essencial de limpeza profunda, e vale dar uma forçadinha na tolerância com o cheiro para deixar ele atuar com toda a força.

  6. Deve ser usado 21 dias e parar 1 semana? Qual outro para ser usado após para curar feridas emocionais? Prosseguindo a limpeza vibracionsal/emocional?
    Obrigada por sua atenção

    1. Oi, Cainara.
      Pode usar dessa forma sim.

      Sobre as feridas emocionais, depende um pouco de como são essas feridas, se mais a nível familiar, materno, enfim… Seria legal conversar com um aromaterapeuta e explicar a sua história. Mas um bom óleo essencial, uma espécie de curinga para tratar questões de emoção é o gerânio. Podes usar ele por 30 dias e fazer uma reavaliação da situação, podendo ou não aumentar o tratamento para 60 ou 90 dias.

    1. Oi Julia, são óleos essenciais diferentes em composição química e por isso com ações vibracionais diferentes. O silvestre é efeito em ação desintoxicante ;D

  7. Olá,
    Antes de mais gratidão pelo fantástico post.
    Mas fiquei com uma dúvida, eu tenho o Pinus sylvestris.
    Posso usar com o mesmo propósito energético e emocional?
    Obrigada 🙂

    1. OI Rita, obrigada! O Pinus sylvestres é bem parecido com cipreste. Composição química deles é bem diferente. Usaria o que você tem em casa para proporcionar desintoxicação. 😉

      1. Daya…o silvestre é melhor pra desintoxicação e o abias é melhor pra sentimentos de não merecimento? Ou o silvestre tbm trabalha nessas questões? Culpa…nao merecimento..

  8. Oii, esse óleo de pinho posso usar enquanto tomando remédios para depressão? Acredito que seria maravilhoso para mim! Estou tendo essa dúvida com os óleos, depois de ver que o eucalipto não é indicado para quem usa medicação constante. Poderiam me esclarecer? Muito obrigada pelo apoio aqui no blog!

  9. Bom dia, assisti o vídeo, acabei chegando aqui, este óleo essencial posso usar em minha filha e marido, sinto que temos que nos libertar dos pesos, eu já vou comprar e começar o uso, mas gostaria de um tratamento familiar. Para meu marido posso usar no travesseiro?

  10. Olá,
    Comecei a usar o óleo essencial de Pinho há uma semana e nos últimos dias tenho me encontrado muito instável emocionalmente (sendo que antes não estava assim) e sinto como se meus problemas viessem a minha mente com mais frequência do que antes. Isso é um efeito do óleo? Emocionalmente falando como ele age? (Faz vc sentir os seus problemas de forma mais intensa para que você possa lidar com eles de forma mais eficiente?)

    1. Oi Uedson, pode sim ser efeito do óleo essencial, pois pinho siberiano proporciona introspecção para olhar com profundidade para dentro e o que precisa ser liberado e que provoca peso e estagnação. Então, pode sim nos deixar mais reflexivo e focados no problema que precisa resolver. Ele também mostra o que precisamos fazer para libertar. Vale manter atenção 😉

  11. Maravilhoso! Recomendo a todos!
    Nesse momento de fim de inverno e início de primavera, nada como colocar coisa velha pra fora começar uma estação mais florida e cheia de novas energias!

  12. Boa noite Daiana,

    oleo do renascimento tbm é o nardo, eu utilizo oleos essencias a um tempo, mas procuro algo sobre q nao comprei, estou em duvidas entre pinho e nardo o que me aconselha? obrigado

    1. Oi Vinicíus, a diferença de cada um dos óleos essenciais citados abordo com profundidade na formação em aromaterapia integrativa.
      Se é uma área que você gosta e pretende estudar a fundo, super recomendo 😉

      1. Oi Daiana, não é uma area que eu pretendo estudar a fundo, é um tratamento em mim mesmo, por isso perguntei se puder tirar essa duvida agradeço muito

  13. Daiana, gratidão pela postagem! Posso fazer uma “mistura” do OE de Pinho com OE de Cedro? Para auto sabotagem, falta de confiança, insegurança.

  14. Olá, Daiana! Faz menos de um mês que eu venho usando o oleo de pinho no meu difusor pessoal (alguns dias eu esqueço de colocar) e notei que ando tendo tremores a ponto de não conseguir dirigir e um pouco de também. E notei que quando cheiro um pouquinho direto do difusor me dá dor de cabeça posteriormente. Gostaria de saber se isso tem relação com o óleo. Agradeço as informações compartilhadas, muito bom o conteúdo!

    1. Oi Gabriella! Tudo bem?
      Referente aos tremores, não há relação com a utilização do óleo essencial de Pinho.
      Referente as suas dores de cabeça, às vezes quando “rejeitamos” o óleo essencial (dor de cabeça, náuseas, etc.), na verdade o óleo essencial está nos trabalhando num todo!
      O óleo essencial de Pinho é conhecido como o óleo da libertação, por que solta as nossas amarras! Um óleo de limpeza , dissolve culpas e medos. Ele desembaraça a nossa visão, e nos ajuda a entender melhor algumas situações que ainda não sabemos o “porque”.
      Te sugiro continuar o uso, e também te convido para uma reflexão, qual a mensagem ele está te transmitindo? Certo?
      Eu que agradeço a oportunidade de ter você conosco!
      😉

Deixe uma resposta