Série Bê-á-bá da Aromaterapia | Primeira parte: A terapia com óleos essenciais

 

Olá! Hoje estamos iniciando essa série mais do que especial. Há muitas pessoas novas chegando nesse movimento de cura e autoconhecimento com base na aromaterapia. E resolvemos desenvolver um mini-manual, com informações básicas e confiáveis sobre esse mundo, sanando dúvidas que aparecem bastante por aqui. Para que você possa iniciar seus estudos e as aplicações terapêuticas de forma segura.

Esse manual está dividido em 4 partes, e aqui está a primeira delas. Organizado na forma de perguntas e respostas, esse promete ser um link para ter sempre à mão.

Então, vamos às perguntas.

O que é Aromaterapia?

É uma terapia complementar ou alternativa, que tem como objetivo promover o bem estar integral do ser humano. Esta terapia se baseia no contato com os óleos essenciais em diferentes formas de utilização. Pode ser através da inalação, compressas, massagens, shampoos entre outros.

A aromaterapia não é um mundo de fantasia ou mágica. É uma terapia pautada em estudos científicos, que busca manter ou resgatar a saúde, através do uso das propriedades medicinais dos óleos essenciais.

 

O que são óleos essenciais?

São substâncias naturais bem concentradas extraídas de plantas aromáticas. E apesar da palavra óleo lembrar algo pesado e gorduroso, os óleos essenciais não são nada disso. São substâncias muito voláteis, ou seja, evaporam-se com facilidade quando em contato com o ar.

O óleo essencial está presente nas plantas em quantidades e localizações diferentes. Pode ser encontrado em raízes (gengibre), folhas (hortelã pimenta), flores (lavanda), casca da árvore (canela) e na casca de algumas frutas (laranja).

Em geral, são necessários muitos quilos de plantas para extrair uma quantidade pequena de óleo essencial. Por exemplo, para extrair um litro de óleo essencial de lavanda, são necessários 150kg deflores de lavanda.

Como surgiu a aromaterapia?

O uso dos aromas das plantas para os cuidados com a saúde não é novidade. Há registros desde o Antigo Egito que apontam o uso de óleos essenciais através da queima de plantas para eliminar pragas, doenças e até energias negativas.

A palavra perfume surgiu por meio da fumaça liberada pelas plantas durante a queima. Per fumum = através da fumaça. Em templos, eram utilizados para ampliar a consciência, conectar-se com o divino e também como instrumento de sedução.

 

Com o passar do tempo, adotaram-se outros métodos de extração dos aromas das plantas, como a enfleurage, destilação a vapor e a prensagem à frio. O resultado desse processamento é um produto muito concentrado chamado óleo essencial.

Apesar de ser milenar a utilização dos óleo essenciais, o termo aromaterapia é ainda muito novo. Essa designação surgiu apenas na década de 20, pelo Perfumista Francês René Maurice Gattefossé. Até então o uso de óleos essenciais era associado apenas à fitoterapia.

Como aplicar os óleos essenciais de forma terapêutica?

As formas de aplicação dos óleos essenciais formam um universo muito amplo.

Podemos utilizá-los diluídos em bases neutras como creme, gel, shampoo, condicionador e óleos vegetais. Com isso obtemos cosméticos naturais e produtos de tratamento que eliminem a dor, relaxem a musculatura ou até desintoxiquem o organismo. É possível criar, por exemplo, um sabonete liquido para relaxar/desintoxicar, ou cremes corporais com diversas finalidades, como analgesia, relaxamento, hidratação, clareamento de manchas, regeneração da pele, entre outros.

Também é possível o contato terapêutico com os óleos essenciais através da inalação no difusor pessoal, aromatizador ambiental e até criando um perfume personalizado. No ambiente, além de deixar o lugar cheiroso e aconchegante, você pode estimular a concentração, ânimo e aumentar a imunidade, por exemplo. E com os colares aromatizados você pinga uma gota de óleo essencial e se beneficia das propriedades medicinais do produto o dia todo.

.

 

O que esperar de um tratamento com aromaterapia?

Os óleos essenciais agem de fato muito bem como fitoterápicos, a nível físico, em função de sua composição química. Tem poderes analgésicos, calmantes, estimulantes, entre outros. Mas a aromaterapia chega a campos mais profundos, mentais e vibracionais, e pode ser usada como instrumento de transformação, atuando diretamente na causa do problema.

Posso agregar os óleos essenciais a outras terapias que já pratico?

Sim, muitas práticas podem ser potencializadas com o uso dos óleos essenciais, tanto em nível físico quanto no vibracional. Exemplos são o reiki, geoterapia, meditação, massagem, constelação familiar, regressão, arteterapia, medicina chinesa, indiana, xamânica, psicossomática, entre outras.

Há óleos essenciais que promovem um despertar interno,como é o caso dos óleos essenciais de mirra, olíbano e patchouli. Eles contêm em suas composições os sesquiterpenos. E quando inalados, atingem um conjunto de estruturas cerebrais responsáveis pelas nossas emoções, como o hipotálamo, hipocampo, amígdala,hipófise e pituitária. Com isso, esses óleos essenciais ajudam a promover compreensão sobre as situações de causa e efeito em que a pessoa se coloca, e acelerar o processo de compreensão e cura de doenças.

Cosméticos e perfumes naturais feitos com óleos essenciais também são terapêuticos?

Sim, e são extremamente eficazes. Podemos desenvolver um creme, uma maquiagem como o pó compacto ou mesmo um perfume que contenha óleos essenciais. E a aplicação desse produto permite que fiquemos muito tempo em contato com aquele aroma.

Então os óleos essenciais podem ser absorvidos pela pele ou através da inalação. E de ambas as formas eles irão provocar uma reação no organismo e promover o bem estar físico, emocional e vibracional.

A segunda parte do nosso manual já está disponível aqui nesse link.

 

Saiba mais sobre os cursos de cosmetologia, maquiagem mineral e perfumaria presenciais e on-line aqui.

Fique de olho por aqui para não perder os próximos capítulos dessa série. Alguns desses textos também irão aparecer lá no nosso instagram, @harmoniearomaterapia.

7 comentários em “Série Bê-á-bá da Aromaterapia | Primeira parte: A terapia com óleos essenciais

    1. Oi, Rosemari.
      Sim, na verdade faltam muitos pontos. Mas nossa ideia aqui nesse texto é disponibilizar um material simples e bem básico. Várias questões ficam de fora, e vão sendo abordadas depois aos poucos. =)

Deixe uma resposta